Blog

No dia 17 de dezembro de 2014 foi divulgada pelo Instituto Chico Mendes Conservação da Biodiversidade (ICMBio) a atualização oficial da “Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção”. A lista é fruto de um enorme esforço conjunto entre o Ministério do Meio Ambiente e diversos especialistas nos grupos avaliados (a maioria biólogos). A atualização é de extrema importância para guiar políticas de conservação no país e o esforço empregado na geração e manutenção de listas dessa natureza é louvável. Os resultados impressionam, visto que a grande maioria das espécies de aves, anfíbios, mamíferos e répteis foram avaliadas (exceto espécies descobertas e descritas após a realização das oficinais). No total, 12.256 espécies tiveram o seu estado de conservação avaliado e constatou-se que 1.173 delas sofrem com algum grau de ameaça. A lista contém 41 espécies de anfíbios e 80 répteis, além de diversas espécies de mamíferos, aves, peixes e invertebrados. As listas de anfíbios e répteis estão reproduzidas ao final do texto enquanto a lista completa, bem como detalhes sobre cada uma das espécies incluídas, podem ser acessados no site do ICMBio.

A principal razão que me levou a escrever este post foi que encontrei na lista uma espécie que tive o prazer de descobrir na natureza e que foi recentemente descrita – o Sapinho-da-Restinga, Melanophryniscus setiba. A espécie só é conhecida na restinga do Parque Estadual Paulo Cesar Vinha (PEPCV), Guarapari, Espírito Santo, onde a descobri em 2005 quando ainda era aluno de graduação na Universidade Federal do Espírito Santo. A espécie, no entanto, só foi apresentada oficialmente à comunidade científica e ao público em 2012, data da publicação do artigo com a descrição formal. Eis que dois anos depois a espécie entrou na lista vermelha e na categoria mais elevada possível, “Criticamente em Perigo”. Visto que o PEPCV é quase inteiramente cercado por casas, lotes e fazendas, a única população conhecida da espécie está completamente isolada. Não é possível dizer com certeza que a espécie só esteja presente na área do Parque, mas o fato é que a situação não é animadora. É preciso que a integridade do PEPCV seja preservada ao seu máximo, ou o Melanophryniscus setiba corre o risco de desaparecer completamente.

Melanophryniscus setiba

O sapinho da restinga (Melanophryniscus setiba) foi descrito em 2012 já é considerado como Criticamente Ameaçado de extinção.

O argumento apresentado em defesa do pequeno Sapinho-da-Restinga é válido para grande parte das espécies encontradas na lista. Muitas delas são pouco conhecidas ou apresentam uma distribuição bastante restrita. Outras tantas espécies são conhecidas de apenas uma ou algumas poucas localidades. Além disso, uma grande parte dessas espécies ameaçadas não tem a mesma sorte do Melanophryniscus setiba – ou seja, não está protegida por nenhuma Unidade de Conservação. A publicação da lista de espécies ameaçadas é um grande passo, mas não podemos parar por aí. Precisamos mapear com precisão a ocorrência dessas espécies, além de incentivar estudos acerca da biologia e resistência desses animais às pressões antrópicas e perturbação do habitat.

A nova lista das espécies ameaçadas

A nova lista das espécies ameaçadas tem 41 anfíbios e 80 répteis. Dentre as espécies ameaçadas estão algumas as quais tive a sorte de ter encontrado na natureza – compartilho aqui algumas imagens. (A) Bolitoglossa paraensis. (B) Stenocersus dumerili. (C) Ameivula nativo. (D) Gonatodes tapajonicus.

Mas nem todas as notícias são desanimadoras, já que muitas espécies outrora ameaçadas saíram da lista, segundo a avaliação do ICMBio. Muitas dessas exclusões se devem a políticas direcionadas à proteção das espécies, enquanto muitas outras são fruto de um estudo mais adequado e aumento do conhecimento acerca da área de vida e ecologia das espécies. No entanto, 720 espécies foram adicionadas à nova lista. Minha pergunta é: devemos comemorar a saída de 170 espécies ou lamentar e nos preocupar com a inclusão de 720 novas espécies na lista? Concordo com as palavras da ministra do meio ambiente Izabella Teixeira de que “a ambição e a coragem desse trabalho [elaboração das listas] foram tamanhas que em algumas classes conseguimos mapear 100% das espécies”. Por outro lado, gostaria de ver uma ambição ainda maior e mais corajosa dos governos federais e estaduais na implementação e efetivação de políticas estratégicas e direcionadas para a proteção das espécies ameaçadas.

Espero que a lista sirva de alerta para o ritmo acelerado em que estamos destruindo o nosso meio ambiente e a nossa biodiversidade.

Até breve,

Pedro Peloso

Saiba mais sobre o Sapinho-da-Restinga: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/11/pesquisadores-identificam-nova-especie-de-minissapo-no-es.html

Listas das Espécies de Anfíbios Brasileiras Ameaçadas de Extinção

Adelophryne maranguapensis Hoogmoed, Borges, & Cascon, 1994

Agalychnis granulosa (Cruz, 1989)

Allobates brunneus (Cope, 1887)

Allobates goianus (Bokermann, 1975)

Allobates olfersioides (A. Lutz, 1925)

Aparasphenodon pomba Assis, Santana, Silva, Quintela & Feio, 2013

Bokermannohyla vulcaniae (Vasconcelos & Giaretta, 2005)

Bolitoglossa paraensis (Unterstein, 1930)

Brachycephalus pernix Pombal, Wistuba & Bornschein, 1998

Chiasmocleis alagoanus Cruz, Caramaschi & Freire, 1999

Crossodactylus dantei Carcerelli & Caramaschi, 1993

Crossodactylus lutzorum Carcerelli & Caramaschi, 1993

Cycloramphus diringshofeni Bokermann, 1957

Cycloramphus faustoi Brasileiro, Haddad, Sawaya & Sazima, 2007

Cycloramphus ohausi (Wandolleck, 1907)

Holoaden bradei B. Lutz, 1958

Holoaden luederwaldti Miranda-Ribeiro, 1920

Hypsiboas curupi Garcia, Faivovichi & Haddad, 2007

Hypsiboas cymbalum (Bokerman, 1963)

Hypsiboas semiguttatus (A. Lutz, 1925)

Ischnocnema manezinho (Garcia, 1996)

Melanophryniscus admirabilis Di Bernardo, Maneyro & Grillo, 2006

Melanophryniscus cambaraensis Braun & Braun, 1979

Melanophryniscus dorsalis (Mertens, 1933)

Melanophryniscus macrogranulosus Braun, 1973

Melanophryniscus setiba Peloso, Faivovich, Grant, Gasparini & Haddad, 2012

Paratelmatobius lutzii Lutz & Carvalho, 1958

Phyllodytes gyrinaethes Peixoto, Caramaschi & Freire, 2003

Physalaemus caete Pombal & Madureira, 1997

Physalaemus maximus Feio, Pombal, & Caramaschi, 1999

Physalaemus soaresi Izecksohn, 1965

Proceratophrys moratoi (Jim & Caramaschi, 1980)

Proceratophrys palustris Giaretta & Sazima, 1993

Proceratophrys sanctaritae Cruz & Napoli, 2010

Scinax alcatraz (B. Lutz, 1973)

Scinax duartei (B. Lutz, 1951)

Scinax faivovichi Brasileiro, Oyamaguchi & Haddad, 2007

Scinax peixotoi Brasileiro, Haddad, Sawaya & Martins, 2007

Thoropa petropolitana (Wandolleck, 1907)

Thoropa saxatilis Crocoft & Heyer, 1988

Xenohyla truncata (Izecksohn, 1959)

Listas das Espécies de Répteis Brasileiras Ameaçadas de Extinção

Ameiva parecis Colli, Costa, Garda, Kopp, Mesquita, Péres, Valdujo, Vieira & Wiederhecker, 2003)

Ameivula abaetensis (Dias, Rocha & Vrcibradic, 2002)

Ameivula littoralis (Rocha, Araújo, Vrcibradic & Costa, 2000)

Ameivula nativo (Rocha, Bergallo & Peccinini-Seale, 1997)

Amphisbaena arda Rodrigues, 2003

Amphisbaena frontalis Vanzolini, 1991

Amphisbaena nigricauda Gans, 1966

Amphisbaena supernumeraria Mott, Rodrigues & Santos, 2009

Amphisbaena uroxena Mott, Rodrigues, Freitas & Silva, 2008

Apostolepis arenaria Rodrigues, 1992

Apostolepis gaboi Rodrigues, 1992

Apostolepis quirogai Giraudo & Scrocchi, 1998

Apostolepis serrana De Lema & Renner, 2006

Apostolepis striata De Lema, 2004

Atractus caete Passos, Fernandes, Bérnils & Moura-Leite, 2010

Atractus hoogmoedi Prudente & Passos, 2010

Atractus ronnie Passos, Fernandes & Borges-Nojosa, 2007

Atractus serranus Amaral, 1930

Atractus thalesdelemai Passos, Fernandes & Zanella, 2005

Bachia didactyla Freitas, Strüssmann, Carvalho, Kawashita-Ribeiro & Mott, 2011

Bachia psamophila Rodrigues, Pavan & Curcio, 2007

Bothrops alcatraz Marques, Martins & Sazima, 2002

Bothrops insularis (Amaral, 1921)

Bothrops muriciensis Ferrazezzi & Freire, 2001

Bothrops otavioi Barbo, Grazziotin, Sazima, Martins & Sawaya, 2012

Bothrops pirajai Amaral, 1923

Brasiliscincus caissara (Rebouças-Spieker, 1974)

Calamodontophis paucidens (Amaral, 1936)

Calamodontophis ronaldoi Franco, De Carvalho Cintra & De Lema, 2006

Calyptommatus leiolepis Rodrigues, 1991

Calyptommatus nicterus Rodrigues, 1991

Calyptommatus sinebrachiatus Rodrigues, 1991

Caretta caretta (Linnaeus, 1758)

Chelonia mydas (Linnaeus, 1758)

Coleodactylus natalensis Freire, 1999

Colobodactylus dalcyanus Vanzolini & Ramos, 1977

Contomastix vacariensis (Feltrim & Lema, 2000)

Corallus cropanii (Hoge, 1953)

Dactyloa nasofrontalis (Amaral, 1933)

Dactyloa pseudotigrina (Amaral, 1933)

Dermochelys coriacea (Linnaeus, 1766)

Ditaxodon taeniatus (Peters, 1868)

Echinanthera cephalomaculata Di-Bernardo, 1994

Enyalius erythroceneus Rodrigues, Freitas, Silva & Bertolotto, 2006

Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766)

Eurolophosaurus amathites (Rodrigues, 1984)

Gonatodes tapajonicus Rodrigues, 1980

Heterodactylus lundii Reinhardt & Lütken, 1862

Heterodactylus septentrionalis Rodrigues, Freitas & Silva, 2009

Homonota uruguayensis (Vaz-Ferreira & Sierra de Soriano, 1961)

Hydrodynastes melanogigas Franco, Fernandes & Bentim, 2007

Kentropyx vanzoi Gallagher & Dixon, 1980

Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829)

Leposoma annectans Ruibal, 1952

Leposoma baturitensis Rodrigues & Borges, 1997

Leposoma nanodactylus Rodrigues, 1997

Leposoma puk Rodrigues, 2002

Leposternon kisteumacheri Porto, Soares & Caramaschi, 2000

Leposternon octostegum (Duméril, 1851)

Leposternon scutigerum (Hemprich, 1820)

Liolaemus arambarensis Verrastro, Veronese, Bujes & Dias-Filho, 2003

Liolaemus lutzae Mertens, 1938

Liolaemus occipitalis Boulenger, 1885

Mesoclemmys hogei (Mertens, 1967)

Phalotris multipunctatus Puorto & Ferrarezzi, 1993

Philodryas livida (Amaral, 1923)

Placosoma cipoense Cunha, 1966

Procellosaurinus tetradactylus Rodrigues, 1991

Rodriguesophis chui (Rodrigues, 1993)

Rodriguesophis scriptorcibatus (Rodrigues, 1993)

Stenocercus azureus (Müller, 1882)

Stenocercus dumerilii (Steindachner, 1867)

Tropidophis grapiuna Curcio, Nunes, Argolo, Skuk & Rodrigues, 2012

Tropidurus erythrocephalus Rodrigues, 1987

Tropidurus hygomi Reinhardt & Luetken, 1861

Tropidurus imbituba Kunz & Borges-Martins, 2013

Tropidurus psammonastes Rodrigues, Kasahara & Yonenaga-Yasuda, 1988

Typhlops amoipira Rodrigues & Juncá, 2002

Typhlops paucisquamus Dixon & Hendricks, 1979

Typhlops yonenagae Rodrigues, 1991

Pedro Peloso

Biólogo, fotógrafo e um grande admirador das belezas naturais.

Comentários

O que achou da postagem?