Pseudis minuta

Nome Científico: Pseudis minuta Günther, 1858
Nome popular:

Classe:  Amphibia | Ordem: Anura | Família: Hylidae
Nomenclatura antiga:

  • +Espécies similares / Grupo

    Não há conhecimento sobre espécies similares

  •  

Descrição da espécie:

É um anuro exclusivamente aquático  e é proximamente  relacionada a P. cardosoi Kwet, 2000. A utilização de métodos predatórios, sem a menor preocupação com a conservação dos recursos para permitir sua regeneração, vem extinguindo um grande número de espécies de anfíbios e destruindo a biodiversidade em geral.

Hábitos e Habitats:

Habita ambientes lênticos de poças temporárias ou permanentes, com vegetação flutuante. Alimenta-se principalmente de besouros, libélulas, abelhas, formigas, cupins, percevejos e moscas. Algumas vezes se alimenta também de pequenas aranhas, grilos, gafanhotos e até alguns crustáceos. Esses dados indicam que Pseudis minuta é uma espécie generalista com dieta basicamente composta de insetos ou complexo pleustônico.

Reprodução:

Os amplexos ocorrem normalmente entre outubro e fevereiro, os girinos podem ser encontrados de outubro a março e os juvenis podem ser encontrados ao longo de todo o ano, o que poderia indicar hibernação ou redução acentuada da taxa de crescimento, nos meses frios.

Vocalização:

 Indisponível | Enviada por: Autor

Os machos vocalizam na superfície da água e são visualizados facilmente. As vocalizações ocorrem durante quase todo o ano (agosto a abril), à exceção dos meses frios (maio a julho), período o qual nenhuma atividade é registrada  indicando padrão de reprodução descontínua.

Informações sobre os girinos:

Em breve

Mapa de Registro:

Em breve

Galeria de Imagens / Variação da espécie:

Em breve

  • +Referências Bibliográficas

    (Melchiors1 et al, 2002)(Kwet e Di-Bernardo, 1999).Melchiors2 et al,2002).

    BORGES-MARTINS, M.; P. COLOMBO; C. ZANK; F.G. BECKER & M.T.Q. MELO. 2007. Anfíbios p. 276-291. In: BECKER, F.G.; R.A. RAMOS & L.A. MOURA (orgs.) Biodiversidade: Regiões da Lagoa do Casamento e dos Butiazais de Tapes, Planície Costeira do Rio Grande do Sul. Ministério do Meio Ambiente, Brasília. 385 p.

  •