Physalaemus centralis

Nome Científico: Physalaemus centralis Bokermann, 1962
Nome popular:
popular
Classe:  Amphibia | Ordem: Anura | Família: Leiuperidae
Nomenclatura antiga:

  • +Espécies similares / Grupo

    Não há conhecimento sobre espécies similares

  •  

Descrição da espécie:

Espécie de grande porte para o gênero, muito semelhante a P.cuvieri, porém maior . O nome específico centralis é uma homenagem ao fato de ter sido descrita do Brasil Central . Caracteriza-se por apresentar cabeça larga, focinho arredondado lateralmente, coloração geral do dorso marrom com faixas laterais no corpo marrom-escuras. Os machos apresentam região gular enegrecida que nas fêmeas é branca . Animal com ventre claro, geralmente branco.

Hábitos e Habitats:

Comumente habita áreas abertas, como regiões encharcadas do Cerrado – Veredas, lagos, reservatórios artificiais e nascentes, mas também pode ser encontrada em regiões de mata – matas de galeria do tipo inundável.

Os machos vocalizam em ambientes temporários, a partir do chão em área brejosa de água parada, assumindo posição semiflutuante em pequenas depressões encharcadas do solo, como as pegadas de bovinos às margens de reservatórios.

Durante o dia podem ser encontrados sobre pedras e troncos. A dieta de Physalaemus centralis ainda não é conhecida, porém, indivíduos de Physlaemus centralis e Physlaemus cuvieri compartilham basicamente os mesmos habitats e recursos. Desta forma, provavelmente suas dietas sejam constituídas basicamente dos mesmos itens alimentares. Vilarins et.al. (2004) estudaram Physlaemus cuvieri e concluíram que os indivíduos se alimentam principalmente de invertebrados da ordem Isoptera (cupins) e da ordem Hymenoptera, família Formicidae (formigas).

Reprodução:

O período reprodutivo é restrito aos períodos chuvosos. A reprodução é prolongada, durante a qual os machos agregam-se em arenas, vocalizando escondidos no meio da vegetação existente, tanto na margem como no interior de corpos de água temporários ou permanentes, localizados em áreas abertas O amplexo é axilar e os ovos são depositados em ninhos de espuma, sobre a água. Para a produção do ninho, o macho bate com as pernas o muco que é liberado com os ovos durante a desova, enquanto está em amplexo com a fêmea.

Vocalização:

 Disponível | Enviada por: Fábio Maffei

Em breve

Informações sobre os girinos:

Em breve

Mapa de Registro:

Em breve

Galeria de Imagens / Variação da espécie:

Em breve

  • +Referências Bibliográficas

    (Bastos et.al., 2003)(Bokermann, 1962 apud Bastos et.al., 2003)Bastos et.al., 2003)Vilarins et.al. (2004)

  •