Aparasphenodon brunoi

Nome científico: Aparasphenodon brunoi Miranda-Ribeiro, 1920
Nome popular:
Perereca de capacete
Classe:  Amphibia | Ordem: Anura | Familia: Hylidae
Nomenclatura antiga:

  • +Espécies similares / Grupo


Descrição da espécie:

O gênero Aparasphenodon é caracterizado principalmente devido ao crânio co-ossificado, o qual é relacionado com o seu comportamento e uso no microhabitat, conferindo proteção extra ao se esconder dentro de bromélias e bambus.

Possui crânio mais longo que largo, focinho estreito e acuminado em vista dorsal, saco vocal subgular único e mediano, entre outros.

Hábitos e Habitats:

Aparasphenodon brunoi é uma espécie intimamente adaptada à vida dentro das bromélias. É conhecida em regiões de Mata Atlântica, a partir do sul do Estado da Bahia, até o Estado de São Paulo.

Reprodução:

Apesar de sua adaptação dentro de bromélias, a espécie não desova em seu interior. Desovam apenas em ocos de bambu.

Vocalização:

 Indisponível | Enviada por: #

Em breve

Informações sobre os girinos:

Corpo corresponde a 30% do comprimento total; olhos laterais; espiráculo único, sinistro, com abertura direcionada para cima e para trás; tubo anal mediano; nadadeira dorsal iniciando no terço médio do corpo; ponta da cauda flagelada; disco oral antero-ventral; fórmula dentária 2(2)/6(1). Em geral, corpo e cauda castanho. Cauda com faixas transversais castanho escuras.

Mapa de Registro:

Em breve

Galeria de Imagens / Variação da espécie:

Em breve

  • +Referências Bibliográficas

    João Filipe Riva Tonini, Israel Souza Mendonça, Alyson Borges Coutinho and João Luiz Gasparini. Anurans from Costa Bela, state of Espírito Santo, southeastern Brazil: inventory at an urban area and the re-discovery of Allobates in the state.
    Disponível em: http://goo.gl/o834c

    SCHINEIDER, José Alberto P.  and  TEIXEIRA, Rogério L.. Relacionamento entre anfíbios anuros e bromélias da restinga de Regência, Linhares, Espírito Santo, Brasil. Iheringia, Sér. Zool. [online]. 2001, n.91, pp. 41-48. ISSN 0073-4721.  http://dx.doi.org/10.1590/S0073-47212001000200005.

    http://www.bioone.org/doi/abs/10.2994/1808-9798(2006)1%5B54:TTOTCF%5D2.0.CO%3B2

    https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/6249/1/z02123p054p821.pdf

    http://www.checklist.org.br/getpdf?NGD155-12

  •