Blog

 
191 Flares Facebook 190 Google+ 1 Twitter 0 191 Flares ×

A página do Herpeto ganha olhos alaranjados nessa nova série de publicações da coluna “A fantástica herpetofauna nacional”!
Com beleza incontestável, as pererecas esverdeadas com olhos alaranjados ou avermelhados do gênero Aplastodiscus darão as caras por aqui!

Para introduzir, Aplastodiscus é um gênero monofilético cujas espécies (membros da família Hylidae), se distribuem em três clados:
Aplastodiscus albofrenatus 
Aplastodiscus albosignatus
– Aplastodiscus perviridis

Indivíduo macho adulto de Aplastodiscus albosignatus registrado em um brejo na borda de um fragmento florestal bem estruturado de Mata Atlântica ombrófila densa do Vale do Ribeira.

Aplastodiscus albosignatus

A espécie Aplastodiscus cavicola ocorre em áreas florestais. Pode reproduzir-se em pequenos riachos ou brejos de borda de mata, onde constrói ninhos subterrâneos. Os machos vocalizam sobre o subsolo ou empoleirados e os girinos se desenvolvem em ambientes aquáticos permanentes. Sua vocalização é bem característica, sendo facilmente diferenciada das outras espécies do gênero.

Indivíduo adulto registrado em um brejo permanente na borda de um fragmento de Mata Atlântica semidecídua, em Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais.

Aplastodiscus cavicola

A espécie Aplastodiscus perviridis possui ampla distribuição geográfica, ocorrendo em algumas áreas do Brasil central, na região sudeste e nas faixas costeiras ao sul do Estado do Rio Grande do Sul, além de ocorrer também no extremo nordeste da Argentina na Província de Misiones, em elevações de 300-1.200 metros de altitude. Vocaliza em áreas abertas, como campos alagados e taboais, independente do ambiente estar ou não em conexão com áreas florestais. Sua vocalização é bastante aguda e lembra um “apito”. Esta espécie possui a íris de duas cores, sendo 2/3 vermelha e 1/3 branca.

Indivíduo vocalizando em área de campo, em Poços de Caldas, sul de Minas Gerais.

Aplastodiscus perviridis

 

Aplastodiscus callipygius é uma espécie que tem como localidade tipo a Serra da Bocaina. Mas também foi registrada em áreas da Serra da Mantiqueira, como no Parque Nacional do Itatiaia. É uma perereca que ocorre sempre acima de 1.000 metros de altitude. Como muitos Aplastodiscus, este anfíbios se reproduz em ambientes aquáticos permanentes, como riachos, córregos e brejos.

Aplastodiscus callipygius registrado no Parque Nacional da Serra da Bocaina, na divisa dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Aplastodiscus callipygius

 

Aplastodiscus leucopygius é uma espécie de médio porte (35,0 e 41,5 mm). Seu dorso é verde com pintas brancas. Apresenta o lábio inferior e apêndices calcâneos brancos. Possui um flap cloacal também branco (daí o seu nome). Apresenta distribuição ampla dentro dos domínios da Mata Atlântica e ocorre ao longo da Serra do Mar e Serra da Mantiqueira nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro
Sua reprodução está associada a riachos, brejos e poças temporárias. Os machos constroem ninhos na lama à margem dos corpos d’água com uma pequena abertura por onde a fêmea entra para depositar seus ovos na água. Os girinos se desenvolvem na água, após o ninho ser alagado. Veja em herpeto.org.

Aplastodiscus leucopygius vocalizando. Indivíduo registrado em um fragmento de Mata Atlântica semidecídua, em Alfenas, Minas Gerais.

Aplastodiscus leucopygius

 

191 Flares Facebook 190 Google+ 1 Twitter 0 191 Flares ×

Renato Gaiga

Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alfenas-MG. (CRBio 068734/01-D) Sócio-proprietário da Biotropica Consultoria Ambiental LTDA”

Comentários

O que achou da postagem?